No tempo das amoras tudo pode acontecer.

26 de abril de 2011

confronto

-Miguel,  diga-me que já sabem do meu filho...
-Não. Não encontraram o seu filho. Segundo o comandante o fogo começou no escrotório e felizmente chegaram a tempo e conseguiram controlar as chamas e estenão se propagou muito.
-E o Jorge? Tem de estar em algum lado!
- Os bombeiros estão a procurar.Vão ver se entretanto não está abrigado do fumo em outra parte da empresa.
-Vou falar com o meu pai.
-Não vás Rosa. O que o teu pai sabe é o que eu te disse, confia em mim.
-Deves estar a brincar... Achas que estás em posição para me pedir para confiar em ti?!
-Não confundas as coisas.
-Se há alguém a confundir as coisas és tu, aliás nem sei porque raio tu estás aqui!
-Porque a tua mãe me pediu.
-Importam-sede parar com isso? Rosa devias estar preocupadacomo teu irmão. E não com essas coisas triviais.
-Triviais para si mãe, que ainda não sabe da história nem a metade.
-Nem me interessa agora Rosa. O mundo não gira à tua volta filha, neste momento importa-me o teu irmão.
-Tem razão mãe, desculpe. Vou ter com o pai para saber das novidades.

5 comentários:

  1. Joana...e então o próximo capítulo?*

    ResponderEliminar
  2. Não vais continuar a historia? Eu estava a adorar e já não escreves nada à 1 mês :(

    ResponderEliminar
  3. Pena estar inacabado, ia ser lindo, ao que parece...

    ResponderEliminar